Rede TV! Rondônia Nas mídias socias agora é só curtir seguir e assitir!
#EuCurto RedetvRO
Cidades

Programa de Prevenção melhora produção de Café em RO

Ano passado apenas 1% das mudas de café tiveram a comercialização impedida, segundo Renê Suaiden Parmejiani

A- A+

Publicado: 25/03/2019 às 10h58min

Se preferir, ouça a versão em áudio
0:00/ 0:00

A Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril  de Rondônia (Idaron)  implantou o Programa oficial de prevenção e controle do Meloidogyne spp em mudas de café. De acordo com Renê Suiaden , fiscal Estadual Agropecuário e coordenador da Fiscalização de Sementes e de Mudas, já se pode observar efeitos  positivos na melhoria do sistema de produção das mudas. Os produtores estão aperfeiçoando a estrutura física e tratos culturais adotados na produção das mudas de café, com a preocupação de seus produtos estarem livres de nematoides e outras pragas, que reflitam diretamente na qualidade sanitária das espécies.

PREVENÇÃO DO MELOIDOGYNE SPP

O nematoide das galhas (Meloidogyne spp) é uma praga que não possui controle eficaz e, muitas vezes, são confundidos em campo com outros problemas comuns, como deficiência de adubação e pião torto.

A prevenção é à medida que deve ser adotada, principalmente, por meio da atuação do profissional Engenheiro Agrônomo na indicação de cuidados e no monitoramento durante a produção das mudas de café, com a análise laboratorial das raízes no final do processo de produção, antes da comercialização, ressalta Renê Suiaden. 

EVOLUÇÃO NA PRODUÇÃO

De acordo com o Presidente da Agência da Idaron, Júlio Cesar Rocha Prestes, em 2016 a portaria nº 558/Idaron entrou em vigência. Na época, haviam 42 viveiros cadastrados como produtores de mudas de café para comercialização na agência Idaron, esse número já passou para 97 viveiros ativos e  a produção de mudas certificadas têm sido incrementada a cada ano, desde a vigência da legislação, aumentando cerca de 30%  após o primeiro ano a implantação do programa,  50% no segundo ano, com aproximadamente 22 milhões de mudas de café declaradas no processos de Certificação Fitossanitária de Origem no último ano.

Em 2017 foi constatado e impedido de serem comercializadas aproximadamente 5% das mudas de café produzidas por estarem contaminadas por nematoides, já em 2018 houve uma diminuição considerável, baixou para 1%, o que demonstrou a evolução nos sistemas de produção e controle da introdução e disseminação de nematoides nas mudas de café que passam pelo o processo de Certificação Fitossanitária de Origem, ressalta Renê Suaiden Parmejiani.

Os municípios das regionais de Rolim de Moura continuam como os maiores produtores de mudas de café certificada do Estado de Rondônia, representando cerca de 75% da produção estadual, em seguida vem os municípios das regionais de Pimenta Bueno e São Francisco do Guaporé.

DESTINOS DA PRODUÇÃO

Além do comércio interno, os produtores de mudas de café certificadas de Rondônia estão alcançando mercados em outros Estados, como Mato Grosso, Acre, Espirito Santo, Amazonas, Roraima e Rio de Janeiro, destinando para eles mais de 400 mil mudas.

SISTEMA ONLINE

Com o Sistema de Emissão e Controle de Permissão de Trânsito de Vegetais (e-PTV), o produtor consegue emitir a PTV de forma online, de qualquer local com acesso à internet, sendo mais prático e ágil.

O sistema também torna mais eficiente o monitoramento da produção e comercialização dos produtos e permite a melhoria da rastreabilidade. Com os relatórios extraídos dos dados inseridos no sistema, foi constatado que os municípios maiores produtores são também os maiores consumidores de mudas de café certificado, sendo Nova Brasilândia do Oeste, com mais de 2 milhões de mudas, tornando-se o maior consumidor, em seguida vem Cacoal com um pouco mais de 1 milhão.


Escreva um comentário