porto velho - ro, 22 Agosto 2019 01:47:10

Marcelo Freire

coluna

Publicado: 23/02/2017 às 06h30min

A- A+

O trânsito de caminhões e o caos na BR-364

Os policiais da Polícia Rodoviária Federal (PRF) passaram maior tempo do ano socorrendo as vítimas de acidentes de trânsito do que fiscaliza

A forte chuva em Rondônia e o processo de colheita de soja no sul do Estado e parte do Mato Grosso estão contribuindo para o aumento no número de buracos na BR-364, principal rodovia de responsabilidade do Governo Federal. No último mês, vários acidentes foram registrados ao longo do trecho da estrada, gerando prejuízos na vida da população.

Além da falta de manutenção na estrada durante o período do inverno amazônico, o maior problema é que a rodovia federal não possui uma balança para controlar o peso de centenas de caminhões que trafegam diariamente pela rodovia. A única balança existente na rodovia funcionava no município de Ouro Preto do Oeste, região central do Estado, e foi desativa há muito tempo.

Com a falta de fiscalização dos órgãos de controle, centenas de carretas estão transitando na rodovia acima do peso. A consequência dessa falta grave é o aumento da quantidade de buracos que invadem a pista. No trecho entre Jaru e Cacoal a situação é bem complicada para motoristas que conduzem veículos de pequeno porte.

No ano passado, a imprudência praticada por alguns motoristas, a falta de sinalização e manutenção da estrada, culminaram com mais de 110 mortes e mais de 200 acidentes. Os policiais da Polícia Rodoviária Federal (PRF) passaram maior tempo do ano socorrendo as vítimas de acidentes de trânsito do que fiscalizando.

Na semana passada, a Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) apresentou em São Paulo o resultado da movimentação de cargas nos portos do Brasil, e revelou que em Porto Velho, o movimento de cargas nos portos organizados e privado representou um crescimento de mais de 20% (6 milhões de toneladas em 2016). Isso significa que nossas estradas receberam no ano passado um volume maior de caminhões transportando soja, madeira, alimentos e peças para a construção das usinas.

A preocupação agora é com o futuro. As estimativas de colheita de grãos em Rondônia e Mato Grosso são otimistas, mas a BR-364 já está acima da sua capacidade de cargas e precisa com urgência de uma atenção do Governo Federal. O Governo Federal precisa investir na melhoria das estradas. Rondônia é um dos poucos Estados da federação que está com suas contas equilibradas e tem forte potencial agrícola de crescimento. O progresso precisa continuar passando pela BR-364.


Escreva um comentário

sobre Marcelo Freire

Jornalista. Atualmente é editor-chefe do jornal Diário da Amazônia. Foi chefe da assessoria de imprensa da Assembleia Legislativa de Rondônia, chefe da assessoria de imprensa do Ministério Público do Estado de Rondônia e assessor parlamentar na Câmara Federal. Formado em Jornalismo pela Faculdade Uniron, em Porto Velho, é pós-graduado em Assessoria de Imprensa pela Faculdade São Mateus. Atualmente é acadêmico do curso de Direito na Faculdade São Lucas, em Porto Velho.

Arquivos de colunas