Rede TV! Rondônia Nas mídias socias agora é só curtir seguir e assitir!
#EuCurto RedetvRO
Cidades

Mobilização coleta mais 4 toneladas de lixos no Rio Guaporé

A coleta do lixo acontece nas regiões limítrofes entre os municípios de São Francisco, São Miguel e Costa Marques

Por Redação
A- A+

Publicado: 27/11/2018 às 07h32min

Se preferir, ouça a versão em áudio
0:00/ 0:00

Da última quarta-feira (21) ao domingo (25) foi realizada a oitava edição da Mobilização Guaporé Limpo, que é um evento de preservação da limpeza do Rio Guaporé promovido pela associação Ecotours, em parceria com órgãos governamentais e empresas privadas. A coleta do lixo acontece nas regiões limítrofes entre os municípios de São Francisco, São Miguel e Costa Marques. Continuar lendo

A Mobilização reuniu cerca de 40 voluntários e coletou, nesta edição mais quatro toneladas de lixos. Se somadas toneladas de todas as outras edições com as desta última, o evento já coletou, nesses oito anos, um total de 124 toneladas de lixos, tanto os que são deixados por turistas às margens e praias do Rio Guaporé quanto das comunidades, do lado brasileiro e do lado boliviano.

Nós abrir nossa pousada aqui à margem do Rio Guaporé há mais de 10 anos. Com tempo, nós percebemos que animais silvestres e peixes, vez por outra, apareciam mortos e detectamos que isto acontecia em função de eles terem ingeridos fragmentos de plásticos e/ou alumínio. Foi então que decidimos criar esta mobilização. Desde a primeira vez que fizemos a coleta, percebemos, ao final, que os turristas deixavam uma quantidade enorme de resíduos no Rio. Essa mobilização tem, a cada ano, ganhado parceiros que acreditam neste projeto e que amam a natureza”, disse Gislaine Débora Roso, proprietária de uma empresa de hospedagem e turismo à margem do Rio Guaporé e mentora do projeto Mobilização Guaporé Limpo.

A mobilização percorre, todos os anos, cerca de 300 km, rio acima e abaixo, para fazer a coleta desses lixos. Neste percurso, as coletas são feitas nas ilhas e também nas comunidades de Santo Atonio – que é uma comunidade de Quilombolas -, do lado brasileiro, e de Versalles, do lado boliviano.

É importante que a mobilização colete os lixos nessas comunidades, pois há resíduos aqui que não temos meios e nem condições de retirar, e se este lixo fica aqui na comunidade sem ganhar uma destinação adequada, acaba por poluir o meio ambiente”, destacou Roberto Lopes, ribeirinho Quilombola.


Escreva um comentário