Rede TV! Rondônia Nas mídias socias agora é só curtir seguir e assitir!
#EuCurto RedetvRO
Cidades

Guichês da empresa de transporte Maia esta interditada

Os guichês nas rodoviárias de Porto Velho, também foram interditados os de Várzea Grande, Cáceres, no Mato Grosso

Por REDE TV
A- A+

Publicado: 07/02/2019 às 15h09min

Se preferir, ouça a versão em áudio
0:00/ 0:00

Polícia Federal teve que agir na Rodoviária para dar cumprimento a descumprimento de interdição de guichê da empresa Maia No Mato Grosso, também foi apreendido ônibus irregular da empresa que operava em linha entre Rondônia e Goiás

Nesse vídeo o empresário Irandir Oliveira, dono da empresa de transporte Maia, retira os lacres da ANTT- Agência Nacional de Transporte Terrestres.

O guichê da empresa Maia em Porto Velho estava interditado pela ANTT- a Agência Nacional de Transportes Terrestres desde o final do ano passado por irregularidades na comercialização de bilhetes não autorizados

Nesta sexta-feira, a empresa decidiu ela mesma romper o lacre de interdição e voltar a atuar

O supervisor da Antt na Rodoviária explicou que teve que acionar a Polícia Federal para evitar o descumprimento da lei e fazer novamente o lacre do local

A intervenção da Ager-MT através da operação “Linha Cruzada”  ocorreu porque a Expresso Maia também fazia embarque e desembarque de passageiros dentro do estado do Mato Grosso, tendo como base as rodoviárias de Várzea Grande e Cáceres. As agências reguladoras aplicaram três multas à empresa que somam cerca de R$ 35 mil, cabendo recursos.

Os guichês nas rodoviárias de Porto Velho, também foram interditados os de Várzea Grande, Cáceres, no Mato Grosso, porque a empresa não tinha autorização para fazer a linha.

O supervisor do Posto de Fiscalização da ANTT em Porto Velho, Natanael Nelito, informou, desde o cancelamento da linha, os ônibus da empresa não estavam mais operando dentro da rodoviária, porém, no último dia 23 de janeiro, a ANTT flagrou a comercialização de bilhetes de passagens, o que resultou na interdição.

Confira a reportagem na integra:


Escreva um comentário