Rede TV! Rondônia Nas mídias socias agora é só curtir seguir e assitir!
#EuCurto RedetvRO
Cidades

Desmoronamento do aterro em frente á EFMM em Porto Velho

O desbarrancamento foi confirmado pela defesa civil que associou o fenômeno a pressão da água ocorrida pelo aumento do rio madeira na cheia.

Por Plantão de Policia
A- A+

Publicado: 22/07/2019 às 16h10min

Se preferir, ouça a versão em áudio
0:00/ 0:00

Desmoronamento do aterro em frente á estrada de ferro Madeira Mamoré ameaça o deck em frente ao galpão 1, erosões de aproximadamente 2 metros de profundidade.

De longe os desmoronamentos impressionam pela profundidade deles. Estão em dois pontos, cada com cerca de 2 metros de altura. Os trechos desbarrancados ficam em frente ao galpão 1 e 2 do complexo da estrada de ferro madeira Mamoré, na margem direita do rio madeira. Neste por exemplo o desmoronamento chegou a atingir a estrutura do antigo deck, e não vai demorar muito para levá-lo embora. Segundo informações, o deslizamento ocorreu no sábado.

O desbarrancamento foi confirmado pela defesa civil que associou o fenômeno a pressão da água ocorrida pelo aumento do rio madeira na cheia deste ano, quando o nível do rio nesta parte em porto velho chegou aos 17 metros.

Desde novembro do ano passado, uma empresa contratada pela – santo Antônio energia vinha trabalhando no aterro dos enroscamentos. 500 mil toneladas de rochas foram usadas no trecho de 600 metros, na manhã de segunda-feira engenheiros da empresa e representantes da Santo Antônio energia averiguavam os deslizamentos.

Apesar de não concede entrevista, a usina emitiu uma nota, no qual disse que inspecionou o local e está avaliando o ocorrido para tomar as providenciam necessárias.

O serviço é a primeira etapa, antes do início da revitalização do complexo anunciada em outubro de 2018 pela prefeitura.  A obra orçada em 38 milhões de reais é uma compensação da usina pela sua instalação no rio madeira. Caso siga o cronograma a obra deve ser entregue em 18 meses, contados a partir de novembro de 2018.

CONFIRA A REPORTAGEM NA INTEGRA:


Escreva um comentário