Rede TV! Rondônia Nas mídias socias agora é só curtir seguir e assitir!
#EuCurto RedetvRO
Política

Coluna: “Um novo cenário”, por Carlos Sperança

O novo cenário provocou uma cisão entre o governador Confúcio Moura que tinha convidado Daniel Pereira para ser candidato ao Governo

A- A+

Publicado: 06/03/2018 às 07h58min | Atualizado 06/03/2018 às 08h15min

Num ano marcado pelas reviravoltas políticas, uma nova situação surgiu ontem com a decisão do governador Confúcio Moura, sob ameaça de impeachment na Assembléia Legislativa, desistir da disputa ao Senado e permanecer até o final do seu mandato a frente do Centro Político Administrativo. O novo cenário provocou uma cisão entre o governador Confúcio Moura (MDB) que tinha convidado Daniel Pereira (PSB) para ser candidato ao governo do estado na semana passada sendo que esta articulação teria desagradado o presidente da Assembléia Legislativa Maurão de Carvalho (MDB) também pré-candidato ao governo.

O que se fala nos bastidores é que com controle da maioria dos deputados no Poder Legislativo, sob ameaça de uma CPI e até de um processo de impeachment em cima de Confúcio, Maurão e o MDB encurralaram e tornaram refém o governador que se viu obrigado a sustar sua aliança com o PSB de Daniel Pereira. O rompimento ecoa por todo o estado e o vice Daniel Pereira manifestou toda sua revolta numa entrevista exclusiva ao apresentador Arimar de Sá no inicio da noite de ontem pela TV Gazeta e uma rede de emissoras de rádio. E tem mais reviravoltas a caminho!

Aliança rompidas

Com a aliança rompida entre o MDB e o PSB, possivelmente o vice Daniel Pereira não assumirá o governo do estado em abril, o governador Confúcio Moura não disputará uma cadeira ao Senado como o MDB queria, mas o candidato ao governo do MDB Maurão de Carvalho poderá também sair de cena caso a fita da chantagem ao governador seja verdadeira. A briga parece feia e mais uma vez – isto é histórico e recorrente em Rondônia – a base aliada do governo se rompe facilitando as coisas para a oposição.

O grande duelo

Com dois candidatos de ponta á Câmara dos Deputados, que são Mariana Carvalho (PSDB) e Leo Moraes (PPS), teremos um grande duelo na capital. Mariana, a abelha rainha local, Leo Moraes, um parlamentar em ascensão e em condições de destronar a tucaninha. E entre estas duas lideranças, temos ainda o ex-prefeito Mauro Nazif (PSB) e o deputado Garçom (PRB) na mesma peleja, tornando disputa bem interessante.

Corrida presidencial

Como fica a corrida presidencial sem o ex-presidente Lula, prestes a ser preso pelos seus malfeitos e ainda com tantos processos nas costas? É isto que os institutos de pesquisas começam a medir nos estados além da possível transferência de votos para quem ele apoiar no PT ou de outra legenda. Ao meio de tantos candidatos, começam também a se destacar, além de Jair Bolsonaro (PSL) e Geraldo Alckmin (PSDB), o ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE) e Álvaro Dias (Podemos-PR).

Fora da aliança

O encontro nacional do PSB, realizado no final de semana e que contou com a presença dos caciques rondonienses Daniel Pereira e Jesualdo Pires, rechaçou aliança em São Paulo com a candidatura do presidenciável Geraldo Alckmin e cogitou acordo com os presidenciáveis Álvaro Dias (Podemos) ou Ciro Gomes (PDT). O PSB é um partido em ascensão, não tem candidato a Presidência. Portanto, seu apoio é muito requisitado pelos partidos.

PT encolhendo

Em Rondônia, o PT, que vem encolhendo nas últimas eleições pode desidratar mais ainda por falta de candidaturas mais expressivas a ALE, Câmara dos Deputados e Senado. Além disto, ocorreram muitas defecções. O maior prejuízo, no entanto, seria a desistência do ex-prefeito Roberto Sobrinho em disputar cadeira para ALE-RO. Sobrinho é maior que PT e tem adeptos de vários partidos tornando o ex-alcaide nome de ponta para aquela casa de Leis.

Via Direta

* Só depois de quatro anos, após a tragédia no Rio Madeira é que as famílias desabrigadas daquela cheia receberam casas populares em Porto Velho * Mesmo assim é bem melhor do que em outros estados, onde enchentes e soterramentos já fazem uma década e que ninguém até agora foi beneficiado * Um clima de insegurança paira sobre a classe política com as últimas decisões a respeito dos fichas sujas. A lista dos pilantras esta quentinha, no forno…


Escreva um comentário