porto velho - ro, 11 Outubro 2019 01:52:10

    Marcelo Freire

    coluna

    Publicado: 04/03/2017 às 06h10min

    A- A+

    As famílias em áreas de risco e a falta de habitação

    A Defesa Civil de Porto Velho começou esta semana a notificar os moradores que residem em locais de risco por conta do aumento acelerado,..

    A Defesa Civil de Porto Velho começou esta semana a notificar os moradores que residem em locais de risco por conta do aumento acelerado, nesta época do ano, do nível do rio Madeira. As áreas mais afetadas já são bem conhecidas da população e os problemas se repetem todos os anos. O poder público tem conhecimento da demanda.

    Ao assumir o comando do município, o prefeito Hildon Chaves (PSDB), um dos primeiros atos da administração foi retirar as famílias que estão residindo em áreas localizadas nos canais por onde é escoada toda a água da chuva. Essas áreas oferecerem perigo à saúde da população e foram ocupadas de forma irregular justamente por conta da falta de fiscalização do poder público.

    Na época da enchente histórica do rio Madeira, em 2014, quando o nível do rio chegou a 19,65 metros, o ex-prefeito Mauro Nazif (PSB) resolveu derrubar as casas que estavam em área de risco no bairro do Mocambo. Alguns moradores foram transferidos para conjuntos habitacionais e outros ficaram na casa de parentes, mas hoje ainda é grande o número de família que está residindo em áreas atingidas pela força da água.

    Todos os anos a Defesa Civil alerta as famílias que vivem nos bairros da Balsa, Nacional, Vila Candelária e Vila do Santo Antônio. Ao receberam a notificação, essas famílias deixam suas residências, mas quando o nível do rio Madeira reduz, elas retornam novamente para o mesmo local e ficam aguardando a próxima enchente. Essa prática já se tornou comum nos bairros de Porto Velho e não será missão fácil quebrar esse ritual.

    Muitas famílias foram cadastradas em programas sociais de habitação, mas o processo de entrega das chaves é lento. Algumas obras do programa federal “Minha Casa, Minha Vida”, foram paralisadas por indícios de irreglaridades. Outras, a exemplo do que ocorre no residencial localizado na rua Três e Meio, estão abandonadas. Na gestão passada, a Polícia Militar montou uma operação de guerra para retirar as famílias do local. Já se foram mais de dois anos e o que restou do condomínio continua abandonado pelo poder público e sem previsão de retomada da obra.

    Enquanto o problema não é resolvido pelos gestores públicos, as unidades de saúde enfrentam superlotação de pacientes com problemas de saúde em decorrência da falta de saneamento básico e água tratada. O governo gasta milhões com medicamentos para tratar pacientes que residem em áreas que não contam com as mínimas condições de higiene. Os direitos à saúde, garantidos na Constituição Federal, passam bem longe dos bairros da Balsa, Nacional, Vila Candelária e Vila do Santo Antônio.

    A Defesa Civil de Porto Velho começou esta semana a notificar os moradores que residem em locais de risco por conta do aumento acelerado, nesta época do ano, do nível do rio Madeira. As áreas mais afetadas já são bem conhecidas da população e os problemas se repetem todos os anos. O poder público tem conhecimento da demanda.
    Ao assumir o comando do município, o prefeito Hildon Chaves (PSDB), um dos primeiros atos da administração foi retirar as famílias que estão residindo em áreas localizadas nos canais por onde é escoada toda a água da chuva. Essas áreas oferecerem perigo à saúde da população e foram ocupadas de forma irregular justamente por conta da falta de fiscalização do poder público.
    Na época da enchente histórica do rio Madeira, em 2014, quando o nível do rio chegou a 19,65 metros, o ex-prefeito Mauro Nazif (PSB) resolveu derrubar as casas que estavam em área de risco no bairro do  Mocambo. Alguns moradores foram transferidos para conjuntos habitacionais e outros ficaram na casa de parentes, mas hoje ainda é grande o número de família que está residindo em áreas atingidas pela força da água.
    Todos os anos a Defesa Civil alerta as famílias que vivem nos bairros da Balsa, Nacional, Vila Candelária e Vila do Santo Antônio. Ao receberam a notificação, essas famílias deixam suas residências, mas quando o nível do rio Madeira reduz, elas retornam novamente para o mesmo local e ficam aguardando a próxima enchente. Essa prática já se tornou comum nos bairros de Porto Velho e não será missão fácil quebrar esse ritual.
    Muitas famílias foram cadastradas em programas sociais de habitação, mas o processo de entrega das chaves é lento. Algumas obras do programa federal “Minha Casa, Minha Vida”, foram paralisadas por indícios de irreglaridades. Outras, a exemplo do que ocorre no residencial localizado na rua Três e Meio, estão abandonadas. Na gestão passada, a Polícia Militar montou uma operação de guerra para retirar as famílias do local. Já se foram mais de dois anos e o que restou do condomínio continua abandonado pelo poder público e sem previsão de retomada da obra.
    Enquanto o problema não é resolvido pelos gestores públicos, as unidades de saúde enfrentam superlotação de pacientes com problemas de saúde em decorrência da falta de saneamento básico e água tratada. O governo gasta milhões com medicamentos para tratar pacientes que residem em áreas que não contam com as mínimas condições de higiene. Os direitos à saúde, garantidos na Constituição Federal, passam bem longe dos bairros da Balsa, Nacional, Vila Candelária e Vila do Santo Antônio.

    Escreva um comentário

    sobre Marcelo Freire

    Jornalista. Atualmente é editor-chefe do jornal Diário da Amazônia. Foi chefe da assessoria de imprensa da Assembleia Legislativa de Rondônia, chefe da assessoria de imprensa do Ministério Público do Estado de Rondônia e assessor parlamentar na Câmara Federal. Formado em Jornalismo pela Faculdade Uniron, em Porto Velho, é pós-graduado em Assessoria de Imprensa pela Faculdade São Mateus. Atualmente é acadêmico do curso de Direito na Faculdade São Lucas, em Porto Velho.

    Arquivos de colunas