#EuCurto RedetvRO
Cidades

SemTran de Vilhena funcionará em novo endereço

O espaço em questão é de propriedade do município e há anos está abandonado

Por Assessoria
A- A+

Publicado: 10/01/2017 às 07h52min

O prédio estava abandonado há vários anos

Na tarde da última sexta feira, 6, o secretário municipal de trânsito de Vilhena, Wagner Wasckzuck Borges, visitou o local que deve ser, em breve, o novo prédio da pasta.O espaço em questão é de propriedade do município e há anos está abandonado. A nova secretaria deverá funcionar no antigo “Verdurão”, no cruzamento da Avenida Sergipe com a BR-174. Wagner esteve no local acompanhado do secretário de Indústria e Comércio, Faiçal Akkari e do vice-prefeito Darci Cerutti.

A equipe decidiu pelo local depois de uma visita minuciosa feita pela própria prefeita Rosani Donadon (PMDB), no início de dezembro. Na ocasião, Rosani se lembrou da necessidade de aproveitar os espaços públicos semelhantes que estão à mercê da ação do tempo sendo deteriorado.

“A prefeita determinou que aproveitássemos este espaço público. Com o dinheiro que seria gasto em aluguel, poderemos promover uma grande reforma no prédio e otimizar o que é publico.” disse Wagner

Para o vice-prefeito Darci Cerutti, essa ação mostra o compromisso da administração em melhorar a aplicação do dinheiro publico. “Este espaço pode num futuro muito próximo abrigar não só a SEMTRAN, mas também outras secretarias, departamentos e autarquias, podendo se transformar até mesmo num complexo administrativo, o que reduziria de maneira significativa o gasto com alugueis de imóveis”, analisou.

Faiçal Akkari, por sua vez, disse que fará tudo o que for da sua alçada para agilizar a obra de reforma no menor tempo possível, buscando parceiras com outras secretarias como a de obras, por exemplo, para acelerar o processo.

Segundo o próprio secretário de trânsito, o gasto mensal com o aluguel de um novo espaço não baixaria de R$ 8 mil mensais, totalizando R$ 384 mil nos quatro anos de mandato. Grande parte desse dinheiro será economizado, pois espera-se gastar, no máximo, 30% deste valor numa grande reforma.


Escreva um comentário