#EuCurto RedetvRO
Polícia

Criminosos invadem Escola JK e furtam equipamentos

Foram levados computadores e notebook, além de panelas que são usadas para preparar a merenda para os alunos

Por Fernando Pereira
A- A+

Publicado: 11/01/2017 às 09h56min

Para ter acesso à sala da secretaria, os criminosos arrobaram a porta de entrada

Desde o ano de 2015 a Escola Estadual Juscelino Kubitschek, situada no bairro São Francisco, no 2° Distrito de Ji-Paraná, vem sendo alvo de furtos que tem provocado prejuízos aos cofres do Estado, de onde saem os recursos para a aquisição dos equipamentos que são roubados, e também prejuízos ao andamento dos trabalhos administrativos da Escola.

Na madrugada de terça-feira, a Escola foi invadida pela sétima vez. Os criminosos arrebentaram o cadeado que tranca o portão da grade que separa o setor administrativo do setor onde ficam os pavilhões com as saladas de aula e, em seguida, arrombaram a porta da sala onde funciona a secretaria e levaram computadores convencionais e notebooks.

Os criminosos, depois de invadirem a secretaria, decidiram fazer uma “visita” também à cozinha da Escola, de onde levaram diversas panelas que são utilizadas para preparar a merenda escolar para os alunos.

De acordo com Jocivaldo Moura, auxiliar administrativo, a Escola JK ainda estava se recuperando os outros furtos que ocorreram no ano passado. “A gente tava comprando, aos poucos, novos computadores e impressoras para podermos não permitir que os trabalhos administrativos da Escola fiquem paralisados, aí vem essas pessoas sem respeito e novamente nos roubam. Fica bastante complicado trabalhar assim, pois esse tipo de acontecimento desestimula a gente”, lamentou Jocivaldo.

No ano passado, em uma das vezes em que as Escola foi invadida, os criminosos, além de levarem computadores e diversos outros equipamentos, acabaram ateando fogo na sala onde funcionava o Laboratório de Informática, que ficou quase todo destruído e precisou ser reconstruídos para que os alunos pudessem voltar a ter aulas no local. O prejuízo quase chegou à casa dos R$ 30 mil.


Escreva um comentário